A mística do equipamento

Se dois arqueiros se encontram falar de Arco e Flecha será básico e, provavelmente, no meio da conversa surgirá alguma coisa relacionada à equipamento. Vivemos um esporte de precisão e, logicamente, um bom equipamento regulado faz sim a diferença. Mas é sempre bom lembrar que o arco não atira sozinho...

O que mais me incomoda numa prova é alguém dizer que perdeu ou errou por causa de problema de equipamento. Isso irrita, pois, tratar bem do(s) seu(s) instrumento(s) de trabalho é fundamental. Algumas lições a gente só aprende vivenciando. Tem gente que não precisa disso e já aprende com o erro dos outros.

Em 2009, durante a etapa da Copa do Mundo da Croácia, eu tinha à época somente um arco. Aquela viagem era importantíssima e única. Não hesitei, pedi um arco emprestado para que eu levasse de reserva. Parece que eu pressentia algo. Chegando lá, os treinos seguiam normalmente. No dia anterior à prova, após a inspeção de equipamentos meu arco quebrou, mais especificamente o módulo da polia. Tico e eu tentamos de toda forma arrumar, fui solidariamente ajudado por pessoas de diversos países – El Salvador, Venezuela, EUA, Croácia, Suíca e México. Mas infelizmente não teve solução.

O arco emprestado não era totalmente regulado, mas era o que eu tinha. Imagina se não tivesse nada. Na Copa do Mundo na Croácia sem poder atirar... Regulamos o novo arco, um Ultratec 2004, que me levou à 21a colocação no FITA com 1.374 pontos. Aquele era o melhor arco do mundo, pois era o meu!

Depois de algum tempo vivenciando essa maravilha chamada Arco e Flecha, as lições aprendidas são:

1 – Tenha sempre um arco reserva. Você um dia irá precisar.

2 – Não coloque a culpa de seu fracasso no equipamento, acho que existem outros vários e MAIORES motivos para você se preocupar.

3 – A flecha é tão ou mais importante do que o arco. Separe jogos separados, mas de configuração igual para Competições e Treinos. Flechas de competição só usadas na competição faz diferença.

4 – Arco é como um instrumento musical, faça dele extensão dos seus dons. Atire por música, entenda seu arco, sinta ele como extensão do seu corpo.

5 – GANHE tempo regulando equipamento, mas não gaste todo o seu tempo só fazendo isso e preocupado com isso.

6 – Marcas de arco é mais uma questão de gosto. No composto, todas as principais marcas – Hoyt, Bowtech, PSE, Mathews, e Martin, sem exceção já tiveram arqueiros acima de 1.400 pontos.

7 – Gosto muito de Hoyt, por sua consistência e equilíbrio. Um tiro mais nervoso, especialmente com a polia que uso – Spiral X. Mas isso é uma questão de gosto.

8 - O arco que você mais tem que gostar é o seu, é com ele que você vai treinar e atirar todos os dias.

9 – Depois de 8 anos de arco, nem loop eu sei fazer, imagina o serving... Isso é um grande erro! Eu também acho!

10 – E, principalmente, conheça muito bem seu tiro para você criar parâmetros e melhorá-los. Saiba reconhecer seus erros para corrigí-los. Conhecendo bem seu tiro, você poderá até identificar algum problema ou ajuste de equipamento a ser feito. Antes disso, preocupe-se menos com o equipamento e mais em melhorar você!

Como diria Reo Wilde, um arqueiro é tão bom quanto o seu pior tiro!

Sugestões de tema a serem discutidos, envie um e-mail para mroriz@gmail.com

Rumo a grandes alvos!

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
No tags yet.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square